A mulher tradicional e a mulher pós-moderna.

Este artigo enfoca a mulher e seus desejos. Honesto, obedece a reflexão do autor em torno da dualidade mulher santa / mulher pós modernidade. A posição da mulher – mãe poderia ser melhor colocada, há que se fazer uma diferenciação entre mulher santa e mulher do lar. Os três últimos parágrafos estão excelentes. Vale a pena.

O vídeo retrata o assunto melhor que minhas palavras.

Anúncios

SIMPÓSIOS TEMÁTICOS.

Para cristalizar o conceito de gênero:

Simone de Beauvoir por mulheres contemporâneas

 

10encontro Feminista da Latino América e do Caribe – um álbum no Flickr.

Opressão e Reparação

março 10, 2012

Devido as humilhações sofridas pelos(as) negros(as) desde a escravatura foi criada uma lei constitucional de reparação. Isto significa que a raça negra tem a preferencia em qualquer conflito e/ou escolha. Nãos ei se esta lei se estende a aborígenes e mulheres.
De toda forma foi assinada uma lei pela presidência que está dando o que falar. Resumindo: Em caso de litigio e/ou separação de pessoas que adquiriram casa própria pelo sistema Minha Casa Minha Vida, do governo federal, o bem é da mulher. Para explicar sucintamente a razão desta lei (e penso que a ministra Dra. Eleonora Menicucci de Oliveira deu sua dica infalível de sociologia politica) envio um texto sobre a historia mais que milenar da opressão da mulher e consequente necessidade de reparação.
Este texto foi premiado, e pertence a autora. Não mude o texto. Este post é de minha autoria, e se copiar coloque o endereço do blog e meu nome completo e correto.  É universal mas tem que citar as fontes, e colocá-las.
NOELIZA BIANCHINI S. LIMA
REENCARNACIONES
Por: Jenny Londoño M:.M:.
Gran Logia Simbólica de España
Vengo desde el ayer, desde el pasado oscuro y olvidado con las manos atadas por el tiempo, con la boca sellada desde épocas remotas.Vengo cargada de dolores antiguos, recogidos por siglos, arrastrando cadenas largas e indestructibles.

Vengo desde la oscuridad del pozo del olvido, con el silencio a cuestas, con el miedo ancestral que ha corroído mi alma desde el principio de los tiempos.

Vengo de ser esclava por milenios, esclava de maneras diferentes, sometida al deseo de mi raptor en Persia, esclavizada en Grecia, bajo el poder romano.
Convertida en vestal, en las tierras de Egipto, ofrecida a los dioses de ritos milenarios, vendida en el desierto o canjeada como una mercancía.
Vengo de ser apedreada por adúltera en las calles de Jerusalén, por una turba de hipócritas, pecadores de todas las especies, que clamaban al cielo mi castigo.
He sido mutilada en muchos pueblos para privar mi cuerpo de placeres y convertida en animal de carga, trabajadora y paridora de la especie.
Me han violado sin límite, en todos los rincones del planeta, sin que cuente mi edad madura o tierna o importe mi color o mi estatura.
Debí servir ayer a los señores, prestarme a sus deseos, entregarme, donarme, destruirme, olvidarme de ser una entre miles.
He sido barragana de un señor de Castilla, esposa de un Marqués y concubina de un comerciante griego, prostituta en Bombay y filipinas y siempre ha sido igual mi tratamiento.
De unos y de otros siempre esclava, de unos y de otros dependiente, menor de edad en todos los asuntos, invisible en la historia mas lejana, olvidada en la historia más reciente.
Yo no tuve la luz del alfabeto durante largos siglos. Aboné con mis lágrimas la tierra que debí cultivar desde mi infancia.
He recorrido el mundo en millares de vidas que me han sido entregadas una a una.
Y he conocido a todos los hombres del planeta: los grandes y pequeños, los bravos y cobardes, los viles, los honestos, los buenos, los terribles.
Mas casi todos llevan la marca de los tiempos.
Unos manejan vidas como amos y señores, asfixian, aprisionan, succionan y aniquilan. Otros manejan almas: comercian con ideas, asustan o seducen, manipulan y oprimen. Unos cuentan las horas con el filo del hambre, atravesado en medio de la angustia. Otros viajan desnudos por su propio desierto y duermen con la muerte en la mitad del día.
Yo los conozco a todos.
Estuve cerca de unos y de otros, sirviendo cada día, recogiendo las migajas, bajando la cerviz a cada paso, cumpliendo con mi karma.
He recorrido todos los caminos.
He arañado paredes y ensayado cilicios, tratando de cumplir con el mandato de ser como ellos quieren, mas no lo he conseguido. Jamás se permitió que yo escogiera el rumbo de mi vida.
He caminado siempre en una disyuntiva, ser santa o prostituta.
He conocido el odio de los inquisidores que a nombre de “la santa madre iglesia” , condenaron mi cuerpo a su sevicia o a las infames llamas de la hoguera.
Me han llamado de múltiples maneras : bruja, loca, adivina, pervertida, aliada de Satán, esclava de la carne, seductora, ninfómana, culpable de los males de la tierra. Pero seguí viviendo, arando, cosechando, cosiendo, construyendo, cocinando, tejiendo, curando, protegiendo, pariendo, criando, amamantando, cuidando, y sobre todo amando.
He poblado la tierra de amos y de esclavos, de ricos y mendigos, de genios y de idiotas, pero todos tuvieron el calor de mi vientre, mi sangre y mi aliento, y se llevaron un poco de mi vida.

Logré sobrevivir a la conquista brutal y despiadada de Castilla en las tierras de América, pero perdí mis dioses y mi tierra y mi vientre parió a gente mestiza, después de que el castellano me tomara por la fuerza. Y en este continente mancillado proseguí mi existencia, cargada de dolores cotidianos.
Negra y esclava en medio de la hacienda, me vi obligada a recibir al amo cuantas veces quisiera, sin poder expresar ninguna queja.
Después fui costurera, campesina, sirvienta, labradora, madre de muchos hijos miserables, vendedora ambulante, curandera, cuidadora de niños y de ancianos, artesana de manos prodigiosas, tejedora, bordadora, obrera, maestra,
secretaria o enfermera. Siempre sirviendo a todos, convertida en abeja o sementera, cumpliendo las tareas más ingratas, moldeada como cántaro por las manos ajenas.
Y un día me dolí de mis angustias.

Un día me cansé de mis trajines, abandoné el desierto y el océano, bajé de la montaña, atravesé las selvas y confines y convertí mi voz dulce y tranquila
enbocina del viento, en grito universal y enloquecido.
Y convoqué a la viuda, a la casada, a la mujer del pueblo, a la soltera, a la madre angustiada, a la fea, a la recién parida, a la violada, a la triste, a la callada, a la hermosa, a la pobre, a la afligida, a la ignorante, a la fiel, a la engañada, a la prostituta.
Vinieron miles de mujeres, juntas, a escuchar mis arengas. Se habló de los dolores milenarios, de las largas cadenas que los siglos nos cargaron a cuestas.Y formamos con todas nuestras quejas un caudaloso río que empezó a recorrer el universo, ahogando la injusticia y el olvido.
El mundo se quedó paralizado. ¡los hombres sin mujeres no caminan!

Se pararon las máquinas, los tornos, los grandes edificios y las fábricas, ministerios y hoteles, talleres y oficinas, hospitales y tiendas, hogares y cocinas.

Las mujeres, por fin, lo descubrimos. ¡somos tan poderosas como ellos y somos muchas más sobre la tierra ! ¡ más que el silencio y más que el sufrimiento ! ¡ más que la infamia y más que la
miseria !

Que este canto resuene en las lejanas tierras de indochina, en las arenas cálidas del África, en Alaska o en America latina, llamando a la igualdad entre los géneros, a construir un mundo solidário — distinto, horizontal, sin poderíos — a conjugar ternura, paz y vida, a beber de la ciencia sin distingos.
A derrotar el odio y los prejuicios, el poder de unos pocos, las mezquinas fronteras.
A amasar con las manos de ambos sexos el pan de la existencia.

Rio Claro

Cotidiano – Casa Dia trata de adictos de RC e região.

 

Abrigo: uma necessidade

setembro 21, 2009

Este post pretende discutir a criação de abrigos que abriguem pessoas em situação de risco, temporários. Pessoas sem condições financeiras de se locomoverem até a casa de parentes; jovens sem rumo; e finalmente propiciar os recursos necessários para que cheguem aos seus lugares. Um núcleo básico de encaminhamento.

Segundo Maslow, em sua pirâmide de necessidades básicas, o abrigo é uma primeira necessidade, assim como alimento.

Um primeiro artigo aqui

Envie material, se tiver. Dê sugestões. Obrigada

Meninas que pensam

abril 2, 2009

Elas tem aparecido  de todos os cantos, mas pouca gente presta atenção. Esta notícia por exemplo é de 2008, e agora estoura na internet. Meninas que fazem a história, gritando que a pobreza existe e é vista como chaga da nossa cruel desigualdade. Pobreza de idéias, de argumentação, de desconhecimento, neste país de ‘ritas,clarices, marias, anas’ e incorencias mil.


PATRIA MADRASTA VIL
Clarice Zeitel Vianna Silva *

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência… Exagero de escassez… Contraditórios?? Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL. Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade. O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada – e friamente sistematizada – de contradições. Há quem diga que ‘dos filhos deste solo és mãe gentil.’, mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe. Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil. A minha mãe não ‘tapa o sol com a peneira’. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica. E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome. Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra… Sem nenhuma contradição! É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem! A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar. E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão. Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta – tão confortavelmente situadas na pirâmide social – terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)… Mas estão elas preparadas para isso? Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil. Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona? Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo. Sem egoísmo. Cada um por todos… Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído? Como gente… Ou como bicho?

* Estudante de direito, UFRJ, Rio de Janeiro, 26 anos,  concorreu com outros 50 mil estudantes universitários – prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) , tema geral: ‘Como vencer a pobreza e a desigualdade’. A redação de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da Unesco. Link dos textos: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001576/157625m.pdf

Por que AndaLuzia

março 6, 2009

ANDA LUZIA!
Por João de Barro, Braguinha, gravação de Sylvio Caldas na Continental.  Gravação de 1947

Anda Luzia, pega o pandeiro e cai no carnaval
Anda Luzia, que esta tristeza te faz muito mal

Apronta tua fantasia
Alegra o teu olhar profundo
Que a vida só um dia, Luzia
E não se leva nada desse mundo

Anda Luzia, pega o pandeiro e cai no carnaval
Anda Luzia, que esta tristeza te faz muito mal
Olé!*

Genealogia

Nossas raízes

Aventuras em Evansville

Acontecimentos e relatos em Evansville e em todos Estados Unidos.

PSICOANALISIS MOEBIUS

Investigación y Formación en Psicoanálisis Freud Lacan

IntenseDebate - Official Blog

Just another WordPress.com weblog

WordPress.com em Português

Blog de Notícias da Comunidade WordPress.com

Joana d´Arc

Maiores poderes maiores responsabilidades

Oriundi

Familia de Floriano Bianchini e Cezira Bellan Bianchini

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

Genealogia

Nossas raízes

Aventuras em Evansville

Acontecimentos e relatos em Evansville e em todos Estados Unidos.

PSICOANALISIS MOEBIUS

Investigación y Formación en Psicoanálisis Freud Lacan

IntenseDebate - Official Blog

Just another WordPress.com weblog

WordPress.com em Português

Blog de Notícias da Comunidade WordPress.com

Joana d´Arc

Maiores poderes maiores responsabilidades

Oriundi

Familia de Floriano Bianchini e Cezira Bellan Bianchini

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: